quinta-feira, 23 de abril de 2009

Misantropia Moderna X Repertório Comportamental

Cada vez mais a mídia transmiti novos casos de pessoas que por algum motivo, premeditadamente, entram armadas em um local e assassinam outras pessoas. Quando se descobrem sobre o comportamento dessas pessoas, elas possuem praticamente o mesmo perfil. Veja a matéria do Último Segundo:

Pela Internet, atirador da Finlândia louvava a misantropia

As opiniões acerca dos os motivos são sempre as mesmas: "Ele era muito fechado e parecia não gostar muito das pessoas, só podia acabar assim!"

Bom se isso fosse "a causa" mais de 1/4 da população mundial, principalmente do hemisfério norte, já estaria planejando seus alvos.

A Misantropia defini-se por uma aversão ao contato social, uma tendência ao isolamento e esquiva de qualquer interação social, principalmente com pessoas novas.

O indivíduo que apresenta um comportamento misantropo não demonstra preocupação alguma em se dar bem com as outras pessoas, de ter uma vida social preenchida, tendendo a ter pouca ou praticamente nenhuma "vida social".

Para a Análise do Comportamento esse e outros tipos "rotulações" não ajudam em nada e podem até atrapalhar em alguns casos.

Não ajuda, pois, quando uma pessoa procura um Psicólogo Clínico, o profissional não vai planejar sua intervenção de acordo com diagnóstico apresentado pela pessoa. Ele fará seu planejamento através de uma Análise Funcional (click para saber mais) que orientará sua prática.

Pode atrapalhar, pois, muitas vezes esses "diagnósticos" servem para fechar e "resolver" o problema: "Ele matou 15 estudantes porque era misantropo". Dá-se o problema por encerrado.

Tudo o que se faz é apenas nomear e descrever o problema, e descrever de uma forma muito imprecisa, já que muitas pessoas apresentam comportamentos compatíveis com a descrição e vivem muito bem.

Pessoas que relatam ter problemas com convívio social provavelmente, no passado foram submetidas, predominantemente à contingências de controle aversivo. Suas tentativas de engajamento social podem ter sido no punidas( +/-) pelos pais e/ou colegas. Há então um déficit na aprendizagem desse repertório comportamental, que passa a ser mantido, ou seja no presente, praticamente por reforçamento negativo (fuga/esquiva). Esse repertório que é enfraquecido é o chamado repertório em Habilidades Sociais (HS). Muitas dessas pessoas precisam passar por um treinamento em HS.

Quando dizemos que alguém é misantropo, estamos somente dizendo um pouco sobre como ela se comporta e não dotando-a de algo mágico ou sobrenatural.

Lembrando que o indivíduo se comporta o tempo todo, ou seja, se um repertório de HS é enfraquecido, um outro acaba sendo fortalecido, ex.: pessoas que são excelentes na profissão e não tão boas nos relacionamentos.

Este comportamento de de isolar-se só se torna um problema quando causa sofrimento diretamente para a própria pessoa ou indiretamente através de seus familiares.

Exemplos conhecidos de Famosos com déficit em HS:
  • Isaac Newton
  • Albert Einstein
  • Tim Burton
  • Johnny Depp
  • Keanu Reeves
  • Sharon Stone
  • Natalie Portman
  • Franz Kafka
  • Fernando Pessoa
  • Christina Ricci
  • Machado de Assis

Para saber mais:


Habilidades Sociais

Os principais Pesquisadores que trabalham com HS no Brasil são:

Zilda A. P. Del Prette e Almir Del Prette -UFSCAR e Marina Bandeira -UFSJ.

3 comentários:

Heron disse...

Paulo,
excelente descrição da pós-moderna, redundante, famosa e "misteriosa" misantropia! Uma análise funcional, como você mostrou, é suficiente, juntamente à disposição de contingências eficazes para mudança de repertórios, para realização de um treinamento em Habilidades Sociais.
Parabéns!
Heron

Anônimo disse...

O início relaciona misantropia com crimes de ódio. Quando chega a esse ponto creio que o termo ideal seja anti-social e não misantropo.

Wandeson Ricardo disse...

Concordo com mencionado acima para os casos extremos que envolvem ódio e violência o termo correto seria antissocial e não misantropo.
Tomem cuidado com essas definições para não gerarem preconceitos e piorar as coisas.
Vejo muitos doutores, psicólogos, que acham que compreendem o comportamento disseminarem rótulos e verdades não comprovadas e que em hipótese alguma pode ser generalizada, principalmente se esta se baseia em estatistificas comportamentais repetidas por determinados grupos usados em pesquisas cujos próprios métodos podem ser questionado.